linda insta

Reportagens EDIÇÃO 28 - AGOSTO 2009

Namoro precoce


Proibir, conversar, vigiar... O que fazer quando os filhos querem namorar na adolescência

 

Um dos maiores motivos de divergência entre pais e filhos na adolescência, hoje, são os relacionamentos amorosos. Agora com um agravante que causa ainda mais conflitos: a precocidade com que esses namoros começam. Quem já viveu três ou mais décadas sabe bem que hoje os casais se formam com cada vez menos idade e com isso vem a iniciação da vida sexual, outra grande preocupação para os pais. De acordo com a psicóloga especialista em infância e adolescência Rose Caldas, 50 anos de idade, sendo 26 de profissão, passar por essa fase não é uma tarefa fácil. “A receita para o sucesso é o diálogo. Os pais devem se manter próximos dos filhos, sempre orientando sobre namoro e sexo. Quanto maior o vínculo de amizade com eles, mais fácil será lidar com esse tipo de questão”, observa.

Para Rose, não existe uma idade certa para o adolescente ser liberado para namorar, pois, na realidade, o ingrediente necessário para o namoro ser saudável é a maturidade. Prova disso é que existem pessoas com mais de 30 anos que não prosperam em seus relacionamentos e, paralelo, jovens com 14 anos que desfrutam de um romance duradouro. “Se o filho está decidido a namorar, apesar dos pais terem exposto sua opinião contrária, o melhor a fazer é tentar se aproximar do escolhido para conhecer e saber como agirem. Proibir é sempre pior”, explica. Já quanto a liberação do sexo dentro de casa, a psicóloga garante que os pais devem agir de acordo com seus princípios e se não se sentem confortáveis não devem aceitar essa situação, mesmo sob o risco de parecerem ultrapassados.
“O perigo dos relacionamentos é a superficialidade. A avalanche de informações que os jovens têm muitas vezes acaba banalizando o amor e o sexo e aí está a maior preocupação dos pais: até onde é benéfico o namoro que o filho está querendo. Por isso é importante manterem-se próximos para, conhecendo a maturidade e o sentimento do adolescente, saberem como vão conduzir essa etapa”, observa. Quanto antes iniciarem as conversas sobre relacionamentos e sexualidade melhor serão os resultados. “Ainda na pré-adolescência, por volta dos 10 anos de idade, os pais podem começar a fazer as primeiras orientações, assim quando surgir a necessidade de ter um relacionamento o filho já vai saber como agir”, salienta Rose.

 

 

Myckel e Nathália: busca por um relacionamento estável para fugir da futilidade dos encontros em festas e baladas

 


VIDA REAL - Os estudantes Myckel Gazen, 21 anos, e Nathália Morari Dorneles, 14 anos, são um exemplo de casal precoce. Namorando há sete meses, eles garantem que o relacionamento só acrescentou à vida dos dois. “A melhor parte é a companhia, ter sempre alguém para compartilhar os momentos. Acredito que namorar na adolescência é mais válido do que sair ficando com um e outro”, observa Nathália. Quanto ao relacionamento sexual, eles também têm o apoio da família. “Sempre fomos muito bem orientados e temos a liberdade de ficarmos juntos no quarto com a porta fechada, mas posar um na casa do outro por enquanto ainda evitamos”, conta Myckel.
A mãe de Nathália, a oficial de justiça Valéria Morari, 41, encara com naturalidade a escolha da filha. “No início achei meio cedo, mas depois de conhecer o Myckel e ver que era um menino bom, mudei de ideia. Até acho melhor minha filha namorar do que estar ficando com quem não conheço”, observa. Valéria, que também é mãe do João, 22 anos, diz que filha mulher ainda traz mais preocupações para os pais. “Nos dois casos é preciso bastante diálogo e orientações, mas com a menina existe um medo maior da gravidez, por isso ter uma amizade com os filhos é tão importante”, ressalta.

 


Valéria: mãe prefere que filha tenha um relacionamento estável do que estar com quem ela não conhece




 

 

A confusão dos sentimentos é o que pode levar um adolescente à dependência emocional. Desta forma, um bom critério para saber se o namoro está saudável na adolescência é procurar perceber se os pensamentos e sentimentos estão canalizados apenas para a parceira ou parceiro. Se estiver, é sinônimo de dependência e toda e qualquer dependência é negativa.





 


"O perigo dos relacionamentos é a superficialidade. A avalanche de informações que os jovens têm muitas vezes acaba banalizando o amor e o sexo."

Rose Caldas



 


FALA, CACHOEIRENSE


Qual a sua opinião sobre namoro na adolescência?


“Nunca namorei e nem tenho esse plano para tão cedo. Quero aproveitar bem essa fase da vida em que o único compromisso que temos é estudar. Acho importante estar focado nos projetos para o futuro e também aproveitar para curtir com amigos, afinal tenho muito tempo pela frente para namorar. Não sou contra o namoro na adolescência, só acho que quando é muito cedo acaba sendo prejudicial”.
Crystian Silva, 14 anos, estudante






 

 "Já namorei durante quatro meses e foi uma experiência interessante. Meus pais tinham conhecimento e apoiavam minha escolha, mas acabamos optando pelo fim do relacionamento. Foi válido, mas agora quero aproveitar a adolescência para estudar. Tenho o projeto de fazer um intercâmbio e mesmo achando que não existe uma idade certa para namorar, quero deixar para mais tarde. Acho que estando solteiro dá para aproveitar mais a vida”.
Cassiano Preuss Nunes, 15 anos, estudante







 


"Estou namorando há quatro meses e tenho gostado muito da experiência. Acredito que não existe uma idade certa para namorar, tudo depende da maturidade de cada um. Meu namorado tem 16 anos e o melhor de estarmos juntos é ter alguém para dividir tanto as alegrias, como angústias e tristezas. Só não se pode é morrer para o mundo, viver somente para o namorado e deixar a vida própria de lado. Os planos para o futuro não podem ser abandonados. Tenho o apoio da minha família, mas para um namoro à moda antiga, sem essa de um dormir na casa do outro”.
Analu Maydana, 15 anos, estudante






 


"Comecei a namorar cedo e no momento estou solteira. Namorar na adolescência tem o lado positivo e negativo. O lado bom é ter alguém para conversar e dar carinho, já o ruim é muitas vezes não poder aproveitar a vida com as amigas e fazer planos sozinha. Se pudesse voltar o tempo, não teria namorado tão cedo, já que na adolescência falta maturidade para lidar com muitas questões, especialmente o ciúme”.
Nenci Vidal, 18 anos, estudante









 


"Cada fase da vida tem seu valor e precisa ser vivenciada. Muitos adolescentes começam a namorar cedo demais e queimam etapas importantes. Além disso, por falta de maturidade e às vezes estrutura emocional podem enfrentar muitos problemas, até mesmo uma gravidez não planejada. Como mãe de jovens e psicopedagoga digo que o melhor a fazer é manter um diálogo aberto com os filhos em todas as situações”.
Rosane Figueiredo, 52, psicopedagoga







BUSCADOR

Última Edição Todas as Edições
linda no face 2

Rua 7 de Setembro, 1015 - CEP 96508-011 - Cachoeira do Sul/RS
Telefone (51) 3722-9696 - Fax (51) 3722-9601