linda insta

Reportagens EDIÇÃO 23 - MARÇO 2009

A arte de falar


Conversar com o bebê desde a gestação pode ajudar a desenvolver a linguagem mais rápido

 

Todos passamos pela fase do "gu gu, dá dá" e pelo processo mágico das primeiras palavras por volta do primeiro ano de idade. Os bebês, assim que nascem, começam a se preparar para falar e mesmo que ainda não digam uma palavra, é escutando conversas que vão ingressar no universo da fala. Segundo a fonoaudióloga e doutoranda em Linguística Aplicada Gabriele Donicth, 28 anos, sendo cinco de experiência, podemos observar o surgimento da fala em uma criança quando ela começa a emitir sons juntando-os em sílabas. Nessa hora como incentivar o desenvolvimento da fala? Confira as atitudes listadas por Gabriele que ajudam na estimulação da linguagem dos pequenos.



Artur Csaszar Vieira da Cunha: conhecendo o mundo das palavras


 


. Converse com seu bebê durante a gestação e a partir do primeiro dia após o nascimento. Conte histórias, cante e faça ruídos mesmo que não esteja entendendo. O importante é estimulá-lo por meio da audição e da visão. Observando o movimento dos lábios, o bebê aprenderá a se comunicar melhor.

 

. Amamente no peito. A sucção favorece o fortalecimento dos músculos faciais envolvidos no processo da fala. Musculatura fraca prejudica a correta produção dos sons.


. Brinque de fazer caretas, expressando emoções como alegria, tristeza ou surpresa e gesticule enquanto estiver falando. Inconscientemente, o bebê tentará imitar os gestos, instigando sua capacidade de raciocínio.


. Alguns baixinhos têm preguiça de falar. Para que se esforçar se a mamãe com um simples gesto entende o que eles querem? Por isso, nada de sair correndo quando ele apontar para a garrafa da água. Isso não quer dizer que você vai deixá-lo com sede enquanto ele não sabe pronunciar a palavra. Repita várias vezes a mesma palavra. - Mamãe vai dar água pra você. - A água está gelada? - Onde está a água?


. É importante que a estimulação seja espontânea e ligada a situações do cotidiano da criança. Ao dar ban-ho, por exemplo, comece uma brincadeira do tipo: "nossa! Esse pé tem chulé." Não adianta nada sentar na frente dele, apontar seu pezinho e ficar repetindo a palavra. A brincadeira será mais útil.

 

. O que move uma criança neste complicado processo de aprender a linguagem é o desejo de se expressar, o prazer de perceber que através de sua comunicação oral ela vai conseguir seus intentos, ser ouvida, valorizada, podendo expressar seus pensamentos e sentimentos. Sendo assim, é extremamente importante um interlocutor atento que a motive no desafio de aprender a falar.

 

. Não obrigue a criança a falar corretamente e não a corrija de forma ríspida quando ela produzir erroneamente alguma palavra ou som. A melhor forma de fazê-la compreender que se fala de outra maneira é dando o exemplo correto. Dessa forma, a criança não irá sentir-se inibida em suas produções.

 

. Se for possível, faça com que a criança conviva com outras crianças. Situações ocorridas em brincadeiras estimulam a vontade de se comunicar através da fala.


. Mamadeira não é "dedera", por isso evite repetir palavras que ele inventa para nomear os objetos, por mais engraçadinhas que sejam. Em vez de reforçar o erro, pergunte: você quer a mamadeira?

 

. Elogie seu filho a cada progresso. Ao perceber o quanto você fica feliz por ele já estar falando, com certeza ele se esforçará muito mais.



 


As fases da fala


PRÉ-LINGUÍSTICA: dos zero aos nove meses, sendo que nas primeiras semanas o bebê emite gritos e sons que já são formas de se comunicar. Aos seis meses ocorre o início dos balbucios, as sequências sonoras sem significado, como papapa e guegue.




 

LINGÜÍSTICA: ocorre a partir dos nove meses. Dos 10 aos 14 meses surgem as primeiras palavras e aos 18 meses a criança já possui um vocabulário que varia de três a 50 palavras.

 

 

 






EDIÇÃO IMPRESSA


Edição 134 - abril de 2019

BUSCADOR

Última Edição Todas as Edições
linda no face 2

Rua 7 de Setembro, 1015 - CEP 96508-011 - Cachoeira do Sul/RS
Telefone (51) 3722-9696 - Fax (51) 3722-9601