linda insta

Reportagens Edição 132 - janeiro/fevereiro de 2019

Negros EMPODERADOS


Os negros mais influentes da cidade, segundo votação popular

 

O Brasil concentra o segundo maior contingente de população negra do mundo (54%), ficando atrás somente da Nigéria. Contudo, os espaços de poder não refletem essa pluralidade social. O país foi o último a abolir a escravidão (após 300 anos) na América Latina com a promulgação da Lei Áurea, há 130 anos, garantindo aos negros o direito à liberdade. Mas eles vivem o reflexo desse passado até hoje. Submetidos a um quadro de marginalização e exclusão social, ganham menos do que a média do país, sofrem mais com o desemprego e apresentam a maior taxa de analfabetismo, segundo dados do IBGE. 71% dos negros são vítimas de homicídios, representam 64% da população carcerária e apenas 12,8% são estudantes de ensino superior no país.
 
Não por acaso, o Brasil está entre os cinco países mais desiguais, segundo a ONU. Essa realidade se revela na falta de representatividade de negros nos espaços públicos e na discriminação social, racial e de gênero. Entretanto, há poucas exceções: 10% ocupam cargos de chefia e fazem parte do 1% mais rico do país. E, em Cachoeira do Sul, quem são os negros mais influentes, que têm voz ativa e se destacam em suas áreas de atuação?
 
Com essa pergunta, a revista Linda realizou uma pesquisa on-line em novembro último. Uma bancada qualificada composta por 33 jurados elegeu três grandes nomes: Ana Lúcia Falcão, Telda Assis e Sérgio Augusto dos Santos. Ao todo, foram votadas 74 pessoas. Conheça quem são os eleitos.



EXEMPLO DE REPRESENTATIVIDADE

Pedagoga de formação, Ana Lúcia Machado Falcão, 58, é supervisora escolar e vice-diretora da Escola Estadual de Ensino Médio Vital Brasil. É ativista atuante em conjunto com órgãos do governo e com a sociedade civil para promover ações afirmativas na promoção da igualdade racial.
Na Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas de Promoção da Igualdade Racial (Compppir), desenvolveu projetos no âmbito da educação, da cultura, da saúde e da política. É integrante da diretoria executiva do Conselho Municipal da Promoção da Igualdade Racial, atuando como secretária, e assume a presidência da escola de samba Unidos da Vila.
  “Os dados estatísticos ilustram o desequilíbrio étnico tão velado, implícito e mascarado em nossa sociedade. Torna-se de extrema relevância o trabalho dos órgãos de igualdade racial e de ativistas do movimento negro vislumbrando políticas de ações afirmativas e de combate às desigualdades cuja aplicabilidade demanda ações compensatórias que tenham a finalidade de reparação de injustiças cometidas contra a população negra ao longo dos séculos”, destaca.
 

“Uma educação libertadora, livre de preconceitos e de discriminação, desconstrói desigualdades, naturalizações e privilégios e possibilita a construção de sujeitos políticos mais cidadãos e conscientes”, afirma a pedagoga Ana Lúcia Falcão

 

 

DEFENSORA DAS MULHERES


 
Telda da Silva Assis, 56, é professora há 34 anos e vereadora com dois anos de atuação. Colaborou ativamente nas atividades da Compppir e do Quilombo Cambará, primeira comunidade quilombola (descendentes de negros escravos refugiados) reconhecida no município. É fundadora do projeto Rodas de Conversas nos bairros e no interior do município, coletivo de mulheres que aborda temas como enfrentamento à violência e autonomia feminina com o objetivo de organizar ações e desenvolver políticas afirmativas.
Telda foi coordenadora regional de Educação, sendo a primeira mulher negra a ocupar este cargo, depois secretária municipal. Hoje, na Câmara Municipal de Vereadores, assume a bandeira da luta pelas mulheres, sobretudo as mulheres negras. “São elas que mais sofrem casos de violência, primeiramente por serem mulheres, negras, e geralmente pobres”.
“Nos últimos anos crescemos muito em políticas raciais e sociais, mas temos ainda muito que avançar. Buscaremos desenvolver políticas públicas para proteção das mulheres que sofrem violência e proporemos um atendimento humanizado na delegacia, já que não temos uma delegacia das mulheres”, enfatiza.

 

Telda Assis, vereadora: “Me vejo hoje como representante das mulheres e especificamente das mulheres negras na política. Venho quebrando barreiras no nosso município”

 


LIDERANÇA NA EDUCAÇÃO


 
Sérgio Augusto Ramos dos Santos Junior, 46, o Serginho, é servidor público municipal lotado na Secretaria Municipal de Educação, desempenhando também atribuições na Secretaria Municipal de Administração, com nove anos de atuação. É graduado em administração, com pós-graduação em gestão pública municipal, e também presidente do conselho deliberativo do Mococa.
Integra uma série de grupos, associações e ações ligadas ao movimento negro de Cachoeira do Sul, entre essas a Associação Cachoeirense da Cultura Afro-brasileira (Acca) e o Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial (CMPIR), trazendo a União de Negros pela Igualdade (Unegro), onde contribui com a gestão estadual e nacional. Participou das conferências nacionais da Igualdade Racial (2009), da Cultura (2013) e da Educação (2018).
 “No estado do Rio Grande do Sul, o governo investe verbas, pois reconhece que existe um racismo institucional e deseja promover ações para minimizar os impactos dessa anomalia no território gaúcho. Somente ações significativas na educação, saúde, emprego e renda poderão reverter os impactos da sociedade desigual e que tem predefinições estruturais”, frisa.

 

“Não existe a promoção da igualdade racial ou social quando os grupos estão em lados opostos. É necessário promover a inclusão para entender as necessidades do coletivo”, diz o servidor público Sérgio dos Santos

 

 


TAMBÉM FORAM VOTADOS

Ademir Santos (Toco), Alexandre Pindeco, André Leite, André Luis Domingues Canabarro, Angela Chaves, Celeste Barcelos Gonçalves, Clenio Bibiano da Rosa, Dalcira Oliveira, Diácono Arbelo, Diego Felix, Edith Bicca, Eduardo dos Santos, Elen Machado Assis, Eluza Leal, Emanuele Silva, Eurico Silva, Everton Regis, Ezequiel Bibiano Rosa, Fabiane Santos, Guilherme Correa, Guilherme da Rosa Moreira, Heloisa Helena Santos, Hiago Gonçalves dos Santos, Isaías Gabriel Moraes, Isaura Cruz, Ivouny Dargélio, Jader Fabricio, Jader Surceda, Janaína do Amaral Teixeira, Janderson Jacques, Jane Machado, Jaqueline Gonçalves, João Alcedi Pacheco, José Ademir dos Santos, José Carlos dos Santos Neto, Júlia Fagundes da Luz, Júlia Severo, Juliana dos Santos Noronha, Júlio César Corrêa da Luz, Julio Modesto, Kássio Maciel, Lair Vidal, Larissa Vidales, Laura Alves, Leidilena Marques, Leidinara Marques, Lena Caetano, Luciano Ramos, Madalena Ferreira, Marcelo Leite, Márcio Silva, Maria Antônia Fontoura, Maria de Lourdes Castro Silva, Maria Helena Leite de Souza, Mariana dos Santos Nunes, Mariana Felix de Quadros, Marieli Barcelos Gonçalves, Marifran Nunes, Marília Brominsky, Max Emiliano Rosa, Mirela Lobato, Nilda Alonso, Roberto Bastos, Rosária Machado, Ryan Rosa, Sirlei Lopes, Telma Thomaz, Vasco da Catedral (Vasquinho), Vitoria Machado, Vorni Prestes e Zeni Catana Santos.






EDIÇÃO IMPRESSA


Edição 136 - junho de 2019

BUSCADOR

Última Edição Todas as Edições
linda no face 2

Rua 7 de Setembro, 1015 - CEP 96508-011 - Cachoeira do Sul/RS
Telefone (51) 3722-9696 - Fax (51) 3722-9601