Do amor ao sexo Edição 100 - março de 2016

Lubrificação vaginal

» Izabel Eilert (izabeleilert@terra.com.br)


Mas, afinal , como isso funciona?

 

A lubrificação vaginal corresponde à ereção no homem. À medida que a excitação vai se fazendo presente e aumentando na fase inicial da relação sexual a lubrificação vaginal também vai se tornando maior, assim como o pênis. Ou seja, é produzida nas preliminares.

No orgasmo, a mulher não libera líquido nenhum. Todo líquido (lubrificação vaginal) é produzido enquanto ela se excita. Já o homem libera algumas gotículas no período da excitação para mudar o PH do canal por onde passa a urina, pois é por este mesmo canal que irá passar o esperma na hora da ejaculação.

“A lubrificação vaginal ocorre quando há um acúmulo de sangue nos órgãos genitais e existe a transudação de gotículas de líquido pela sua parede. A lubrificação pode acontecer a partir da lubrificação do colo do útero e ainda por meio das glândulas de Bartholin ou glândulas vestibulares maiores, glândulas alojadas na parede vaginal com função de efetuar a lubrificação do canal preparando-o para o ato sexual” (site gineco.com.br).

Cada mulher deve perceber qual é o seu volume médio de lubrificação, pois existem mulheres que têm bem pouca produção de lubrificação vaginal mesmo com alto nível de excitação e outras que têm volumes bem altos, chegando a molhar lençol, colchão... É bastante pessoal o volume produzido de secreção na hora da excitação. O importante não é o volume de líquido e sim a mulher saber perceber se está bem excitada ou não.

Os volumes excessivos de secreção vaginal às vezes podem causar certo constrangimento para alguns casais por molhar a cama ou até por terem a falsa ideia de que possa ser urina todo aquele líquido. E não é! Para essas que se excitam e produzem lubrificação abundante a dica é colocar toalhas no local onde o sexo acontecerá e aproveitar muito toda a excitação que puderem ter, sem ficar se inibindo por isto. Já as que têm pouco volume de lubrificação devem ficar atentas se é por produzirem pouco mesmo ou por falta de estímulo na fase da excitação, ou seja, falta de preliminares.

A falta de lubrificação pode gerar dor e desconforto na hora da penetração. Um bom “sinal” para o homem saber se a parceira está pronta para a penetração ou se ainda necessita de mais estímulo é ela falar ou dar alguma dica com o corpo, já que não é tão fácil assim para alguns homens perceberem quando a mulher está pronta para a penetração.

A causa mais comum de falta de lubrificação vaginal é a falta de excitação e desejo. Também pode ocorrer no pós-parto e na menopausa, onde os índices hormonais estão alterados e podem causar ressecamento vaginal. Isto pode ser melhorado com gel de hormônio ou gel à base de água, o que deve ser orientado pelo ginecologista.

Os lubrificantes podem auxiliar muito nestes momentos em que os hormônios não estão “ajudando” na produção de secreções vaginais, mas cuidado para eles não entrarem no lugar das preliminares. Os lubrificantes artificiais podem ser excelentes, tem alguns até com sabores, outros à base de água (que não engorduram as roupas), mas eles jamais substituem uma boa preliminar.


Psicóloga e terapeuta sexual

 






BUSCADOR

Última Edição Todas as Edições

Rua 7 de Setembro, 1015 - CEP 96508-011 - Cachoeira do Sul/RS
Telefone (51) 3722-9696 - Fax (51) 3722-9601