Do amor ao sexo Edição 65 - dezembro de 2012

O beijo

» Izabel Eilert (izabeleilert@terra.com.br)


Quanto poder tem um beijo, quanto significado tem este contato? O beijo é intimidade pura, é entrega, é união de corpos e secreções. Nele, dizemos muito do que vai em nosso coração, em nossa alma. Quando o beijo é recatado, nos diz algo; quando tem urgência de desejo, já é bem diferente. Ele pode aparecer intenso, entre os amantes principalmente, ou quase imperceptível, como nos “selinhos”.
   
Existem beijos que só se revelam durante o sexo e também aqueles que só são dados em momentos extremos (de paixão ou reencontros). Está sempre ligado às emoções, como se fosse um tradutor, sempre nos dizendo algo quando as palavras não seriam suficientes para traduzir a emoção daquele momento. Quantas vezes um gesto vale mais que mil palavras? E um beijo, então, nem se fala.

Mas é incrível como os casais deixam de se beijar na medida em que o tempo passa. Parece que aqueles beijos do início do namoro, aqueles beijos quentes, tão carregados de paixão, vão se perdendo com o passar do tempo e só tem lugar na intimidade da cama deste casal, como se não soubessem mais fazer isso a não ser quando existir o sexo.

Mas fica a dica: o beijo mantém o casal ligado em sua cumplicidade, ligado na amorosidade, ajuda a manter o bom humor e a tolerância das pequenas frustrações. O beijo tem um poder enorme nas relações. Não é por nada que os casais que estão começando têm uma necessidade de beijar muito e muitas vezes. É este beijo que os aproxima e os fazem querer mais e mais.

O beijo também é uma “ferramenta” maravilhosa durante o sexo. Ele pode ser usado não só na boca, mas em todo o corpo. As sensações erógenas estão espalhadas em várias partes, não só nos genitais. Vale o casal explorar estas zonas e ver onde sente e como sente.

E quem não gosta de beijo? Sentimos o beijo desde que éramos bebês, onde a mãe, em seu primeiro contato com o filho, o beija. Os cumprimentos, principalmente do mundo ocidental, são com beijo (nós, do sul, então, damos três...). E por que sermos tão econômicos com os beijos? Eles não gastam, não acabam e não têm prazo de validade. Podemos beijar até morrer. Isso é maravilhoso. Beijar com afeto, com paixão, com ternura, com carinho apenas é uma manifestação de algum sentimento que vai no nosso interior e que podemos mostrar através do beijo. Então deixe de ser bobo e gaste todo seu “estoque” de beijo com quem está ao seu lado e verás que o “estoque” vai triplicar. Quanto mais você dá, mais recebe!




Gaste todo seu ‘estoque’ de beijo com quem está ao seu lado e verás que o ‘estoque’ vai triplicar. Quanto mais você dá, mais recebe!

 

 

 

* Izabel é psicóloga e terapeuta sexual

 






BUSCADOR

Última Edição Todas as Edições

Rua 7 de Setembro, 1015 - CEP 96508-011 - Cachoeira do Sul/RS
Telefone (51) 3722-9696 - Fax (51) 3722-9601