Do amor ao sexo Edição 54 - dezembro de 2011

Brinde à vida, aos prazeres da vida!

» Izabel Eilert (izabeleilert@terra.com.br)


A vida é curta demais para ser complicada... Nossa, já li isso em tantos livros de autoajuda e em e-mails distribuídos pela internet. Mas o que será que acontece que as pessoas têm a tendência a dificultar os relacionamentos? O que acontece com os casais que param de perceber a beleza e o prazer que existe entre eles? Por que complicam?

Geralmente quando se fala de prazeres, se falam dos prazeres de viajar, de descansar, da boa mesa, de papos gostosos, caminhadas, cavalgadas, filhos brincando na cama da gente domingo de manhã. Tudo isso são coisas, sem sombra de dúvida, muito prazerosas.  Mas os prazeres também estão escondidinhos onde não conseguimos enxergar com facilidade no nosso dia a dia. Incrível como dificultamos o aparecimento deles.

Por que será que brigamos tanto com nossos amados (as) por coisas tão pequenas? As gentilezas parecem que são só  para início do namoro. E os elogios então, são praticamente esquecidos e são tão bons de serem ouvidos. Também temos a tendência de deixar o sexo para de-pois de tudo, mas por que, se é tão gostoso? A forma como não conseguimos voltar a ter intimidade depois de termos discutido é outro exemplo. Nisto os homens geralmente são mais práticos e colocam o prazer na frente das brigas. É disto que estou falando, dos prazeres perdidos nestas pequenas coisas, nos pequenos gestos e manifestações.

Na minha vivência clínica, os casais se referem muito à dificuldade de lidar com as diferenças de gostos e ritmos no dia a dia deles, como por exemplo, ele gostar de futebol e ela de novela, ele querer sexo sempre e ela quase nunca, dele não querer passear e ela sempre querer sair, dele querer assistir filmes de guerra e ela, romances. Reparo que isso acontece justamente por não estarem acostumados a perceber que o prazer do outro pode ser atendido sem que caia um pedaço seu. Ao contrário, se forem gentis um com o outro o clima do relacionamento melhora.

Reaprendam a sentir o prazer de dar prazer ao outro. Usufruam dos carinhos que um pode dar ao outro, coisa gostosa isto... Observem que o homem é geralmente mais direto na sua forma de carinho e a mulher tem a tendência a ser mais romântica. Cada um tem seu jeito e o casal deve conhecer e respeitar as individualidades, pois cada um tem uma bagagem genética, de criação e de costumes que vem embutido conosco e que é bem difícil de ser alterada fora de um consultório terapêutico.

Também percebam que ceder não significa perder, pois não se está em nenhuma batalha, e no relacionamento tem muito de ceder, é ajuste diário e pode gerar um prazer imenso manter a harmonia da relação.

Um elogio, um convite inesperado, uma surpresinha, um beijo, gestos pequenos, que contêm tanto prazer para quem recebe. Gentileza é uma delícia de se receber! São gestos que se expandem e se transformam em prazer para o outro que recebe e também para quem dá. O prazer não está nas coisas grandes, ao contrário, se nos acostumamos a sentir os pequenos prazeres, conseguiremos ter uma sensação de felicidade maior e provavelmente seremos mais felizes e mais leves em nossas vidas.

 

"Por que será que brigamos tanto com nossos amados(as) por coisas tão pequenas? As gentilezas parecem que são só para início do namoro."





* Izabel é psicóloga e terapeuta sexual






BUSCADOR

Última Edição Todas as Edições

Rua 7 de Setembro, 1015 - CEP 96508-011 - Cachoeira do Sul/RS
Telefone (51) 3722-9696 - Fax (51) 3722-9601