Reportagens Edição 67 - março de 2013

Em nome de um sonho


Conheça as histórias de quem se aventurou para realizar o que tanto queria. E não é que deu certo!

 

 

 

Paixão por moda


Como jornalista, Patricia Albuquerque, 33, já tinha alcançado altos voos e como blogueira só vê o seu sucesso crescer. A cachoeirense trabalhou por muito tempo na Renner, em Porto Alegre, no desenvolvimento de coleções. “Fiz viagens de pesquisa para Nova Iorque e Paris e desenvolvi a coleção junto às fábricas pelo Brasil”, nos conta. Depois de um tempo, queria se dedicar mais à família e deixou o trabalho. Durou pouco. “No fim de 2010 meu filho nasceu e resolvi me dedicar inteiramente a ele, mas como não conseguia ficar longe da moda criei o blog nas horas vagas”, conta Patricia. O que era, no início, um hobby, logo se transformou em trabalho sério. “Meu blog chamou a atenção aqui na capital e está em pleno crescimento. Sou chamada sempre para cobrir e participar de eventos de marcas, desfiles, lançamentos e sessões de fotos”, diz. O blog, que foca na sua vida, nas viagens e na visão que tem dos eventos que participa, tem acessos do país todo e se tornou o maior canal de divulgação do seu trabalho. “Recebo muitos convites para lançar marcas aqui”, diz.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A fruta não cai longe do pé


Com uma família de músicos, Felipe Corrêa, 20, não poderia seguir outro caminho e decidiu virar cantor. No começo era um hobby, mas sua paixão pela música falou mais alto. Ele e o irmão Fabiano Corrêa, 23, se juntaram e começaram a levar a arte deles pelo estado. O sonho se tornou realidade. Eles já cantam juntos há cinco anos e são vencedores de diversos prêmios da canção gaúcha. Além de cantar, os irmãos aprenderam a tocar instrumentos como violão, gaita e guitarron sozinhos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aventura que deu certo


Aos 20 anos e com apenas mil reais no bolso, o barman Diego Machado de Souza, 30, juntou as malas e está há mais de 10 anos residindo em Miami Beach, nos Estados Unidos. Com a ajudinha dos céus, deu e está dando certo. Hoje ele trabalha como barman em um grande hotel SPA e faz algumas cadeiras básicas na faculdade. Ele conta que, após ter ficado cinco anos fora do Brasil, a readaptação não foi nada fácil, tanto que hoje já perdeu o costume de falar português fluentemente. “Eu acredito que as pessoas devem ir atrás dos seus sonhos, tudo é possível nessa vida. Fui para um país totalmente desconhecido, com pessoas desconhecidas, e hoje não me imagino em outro lugar”, conta Diego. Atualmente ele está legalizado, o que permite o acesso ao Brasil para visitar a família sempre quando pode.

 

 

 

 

 

 

 

 

 






 

 

Amor pelos bichos e pela fotografia


Há 12 anos, Fabiana Peixoto Tischler, 32, abriu sua pet shop para cuidar dos bichinhos de estimação da família. Sua dedicação foi tanta que logo a pet ficou conhecida na cidade e até hoje ela desenvolve este trabalho. Além dos bichinhos, outra paixão despertou na microempresária: o interesse pela foto. “No Natal de 2011 ganhei uma máquina semiprofissional. A partir daí, comecei a pesquisar como fazer fotos boas, usando minha família e meus bichinhos como modelos. No ano passado fiz um curso de fotografia e adorei. No início era só um hobby, mas hoje já comprei uma câmera profissional e faço books e eventos”. Para Fabiana, o trabalho como fotógrafa traz momentos inesquecíveis. “A reação das pessoas ao verem o resultado final do meu trabalho é ótimo. É lindo pegar aquele momento especial, aquele sorriso de uma pessoa que nunca sorri e por algum instante soltou aquela risada da besteira que você falou... Um abraço de família, uma criança brincando e se sujando e namorados trocando olhares e se beijando. São momentos que podem se tornar inesquecíveis em formato de fotografias”, diz Fabiana.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Realização profissional em Minas Gerais



João Morari Dornelles, 26, mora em Belo Horizonte (MG) e só vê seu sucesso profissional crescer. Ele é diretor do Instituto Eneagrama da cidade onde mora e está adorando os novos desafios. “Desenvolvo o trabalho de captação de clientes, montagem da equipe de trabalho e administração das ações realizadas pela empresa”, fala Dornelles. Segundo ele, o instituto desenvolve uma metodologia de aplicação da ferramenta Eneagrama voltada ao desenvolvimento pessoal. Antes disto, João tornou-se bacharel em Hotelaria e estudou um ano e meio para ser diplomata. Quando conheceu o Eneagrama teve certeza do que queria. “Hoje eu tenho a intenção de ‘criar raízes’ por aqui. O Instituto Eneagrama me proporciona realização profissional, além do contato com uma ferramenta de autoevolução que me auxilia nas realizações pessoais também”, diz.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Camisas com exclusividade!



Paulo Sérgio Gonçalves, 49, é pastor da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Carazinho e recentemente abriu uma loja de camisas. “Cachoeira do Sul não tinha um espaço especializado neste segmento. Juntamente com meu filho Felix Ricardo Oliveira, 22, e minha nora Miriane Ramos, 22, decidimos então inaugurar a primeira camisaria da cidade”, fala Paulo. A ideia já vem de algum tempo, mas só no dia 1º de fevereiro deste ano o projeto tornou-se realidade. A Loja Manucci Camisaria tem fabricação própria. “Os modelos fogem um pouco do convencional e apresentam a possibilidade do cliente escolher as cores e modelos conforme o seu estilo”, diz o empresário. Além disto, a camisaria tem um horário diferenciado. “Se algum cliente não pode vir em horário de comércio, podemos agendar um atendimento exclusivo, conforme for melhor para ele”, fala Paulo.



 






BUSCADOR

Última Edição Todas as Edições

Rua 7 de Setembro, 1015 - CEP 96508-011 - Cachoeira do Sul/RS
Telefone (51) 3722-9696 - Fax (51) 3722-9601