Reportagens Edição 62 - setembro de 2012

É normal meu filho...


Dúvidas sobre o desenvolvimento das crianças fazem parte da rotina de todos os pais

Quantas vezes, nas mais diferentes situações, os pais perguntam se é normal seus filhos terem esse ou aquele tipo de comportamento. Ser pai ou mãe é isso mesmo. É querer sempre saber se está tudo bem com seu filho. Para ajudar nas dúvidas mais comuns, LINDA conversou com a psicóloga Ana Carina Motta Klein, 39 anos de idade e 16 de profissão.



... fechar a boca e não querer comer?

Esse período é chamado de anorexia infantil. Situação característica do desenvolvimento, que ocorre aos 2 anos de idade. “Estamos falando de um momento do desenvolvimento em que a criança dá seus primeiros passos como indivíduo, querendo mostrar o que quer e, principalmente, o que não quer”, ressalta Ana. O fechar a boca é a primeira forma de a criança comunicar o seu não, ou seja, aqui essa comida não entra. O não é a palavrinha mais ouvida nessa fase, o que para muitos pais é um tormento, pois as famosas birras geram situações bastante estressantes para ambos. “Os pais não devem esquecer que nessa fase a criança precisa de pequenas porções alimentares e que, se realmente estiverem com fome, elas irão comer”, explica a psicóloga.



... ter tantos medos?

Os medos são normais e ajudam a criança a resolver problemas ligados ao seu desenvolvimento. Os pais se aproximarão dos filhos, lhes dando apoio, cuja experiência é tão necessária nessa fase da vida. “Ouçam atentamente o que quer a criança e respeite os sentimentos dela. Ajudem a entender que é natural sentir medo e preocupar-se com as coisas. Só depois façam ela ver que é possível lidar com o que no momento lhe parece apavorante e que, quando ela crescer, aprenderá a superar os seus medos”, completa a psicóloga.



... ficar segurando na “barra da minha saia”?

Por volta dos 2 ou 3 anos de idade, é bastante comum as crianças ficarem o tempo todo em volta de suas mães. Esse comportamento é esperado e compreensível, principalmente quando estão diante de situações novas, em um ambiente desconhecido e pessoas igualmente desconhecidas. “Uma das formas para ajudar é levar o filho para brincar com outras crianças da idade dele. Deixe que ele fique agarrado em você até que comece a identificar-se com uma dessas crianças. Aos poucos, então, ele vai se desvincular”, orienta a psicóloga.



... fazer birras?

“As birras são faces de uma mesma moeda: dizer não significa dizer eu”, observa Ana. A recomendação aos pais, além de uma dose muito grande de paciência, é realmente dar o limite em situações em que ele é necessário para a criança.



... perguntar de onde vem os bebês?

As perguntas sobre a origem dos bebês vêm acompanhadas de descobertas das diferenças entre os sexos. É importante que os adultos entendam e respeitem essa abordagem, tratando com naturalidade e respondendo as questões de forma direta, simples e com informações reais.





EDIÇÃO IMPRESSA


Edição 118 - outubro de 2017

BUSCADOR

Última Edição Todas as Edições

Rua 7 de Setembro, 1015 - CEP 96508-011 - Cachoeira do Sul/RS
Telefone (51) 3722-9696 - Fax (51) 3722-9601